27 abril, 2008

como páginas de um livro

difícil esperar a hora certa. difícil saber se a hora certa é mesma que o ponteiro marca no nosso relógio.. com algumas horas adiantadas.

e o infinito que se pensa ser a hora seguinte... e o minuto seguinte que nunca chega.

o final que nos cabe, que nunca se sabe e que se espera infindavelmente.

[o dia chegará e todos verão]

e saber depois de tudo qual a hora que a gente espera acontecer... qual o momento que acordamos todo dia pensando que será ali, naquele dia.. qual o dia marcado no calendário, que ansiosamente é folheado e todos os dias feito uma nova recontagem do quanto falta, do quanto ainda doerá... qual o segundo que pensamos que irá mudar a rota... pra sempre[??].

mas depois de um tempo que das esperas - de tantas delas (umas válidas e outras não) -, se vê que as coisas não mudam muito e as metas que traçamos são cada vez mais longínquas, pra que se tenha em quê se agarrar com tempo de validade cada vez maior.

até chegar ao ponto, onde não se tenha mais nada a esperar depois daquilo.

é como um livro, onde você espera exasperado pra terminar cada página e que por mais que você não agüente mais até chegar a próxima, o que importa de verdade é ultima e que depois dela só restam espaços brancos, conseqüentes daquele final. é quando o tempo e o espaço se interceptam de novo. um caminho até o final. você entende?

eu nunca gosto de pular as páginas e ver o que será depois. eu espero, com o coração apertado, mas espero. é a esperança com validade maior... a maior esperança é do que irá acontecer na ultima página.

eu já não espero o tempo da virada brusca... eu não espero o que um dia vai passar, pois não valerá tanta tempo aguardando... espero o ponto final do que se pode esperar e o que finalmente abrirá o caminho pra onde não se precisará mais de esperas.

é na linha final que meus olhos descansam. nas coisas eternas, não nas passageiras. na ultima página do livro.

e às vezes você está tão distraído que nem percebe e já é o ponto final. mas ainda vem o espaço em branco e por isso vale a pena esperar. garanto.




eu olho para o céu já são tantos os sinais
não sei pros meus dias ou pros meus filhos
pra todos os efeitos eu vivo preparado e em paz
eu to esperando a tua volta’

9 comentários:

Belle disse...

é por isso que eu sou fã... kkkk

eu vou pegar os teus textos, imprimir e mandar encadernar. e não vou te dar e nem deixar tu olhar!
rsrsrs...

tainara_barbosa disse...

ops...
acho q eu estava perdendo tempo em nao ler seu blog...
=/

gostei demais do texto d hj..

bju !

Nany disse...

eu gostei, como sempre...
li, gostei, levei!

compro dois ;)

quando vc resolver escrever um livro... te amo.

Srta. Pinheiro disse...

"é na linha final que meus olhos descansam. nas coisas eternas, não nas passageiras. na ultima página do livro."


uôu.

Gostei daqui garota, a propósito, muito. =)

Deixei as pedrinhas no caminho pra saber voltar depois.

Srta. Pinheiro disse...

O fabuloso óraculo que quase tudo sabe: google.

Mas o engraçado é que também vasculhei teu blog e achei a mesma coisa, que estranho isso! Um estranho legal.

=)

Rafael disse...

eu sempre lia o final do livro antes de todo o resto, quando estava numa espectativa muito grande. mas eu parei com isso.

e quando eu via filme, eu ficava constantemente olhando o relogio, pra saber quanto faltava pra o filme terminar. parei com isso tbm.

ja experimentou passar um dia todo sem olhar o relogio? sem ficar preocupada com que horas sao, bla bla bla?
experimente, será uma experiencia nova.

Brunno Soares disse...

Maninha...
ta escrevendo super bem.

parabens pelo txto fia


bjos

Srta. Pinheiro disse...

Ahaha. ^^

Relendo o texto agora, concordo com você... parece meio ácido! =O

E sim, eu me envolvo com o que escrevo, mas não, eu estou bem de verdade.

Deixa eu contar a hostória do post.Eu estava com vontade de postar, sabe? Mas não sabia explicar muito bem o que eu tava com vontade de postar. Daí eu comecei a escrever e saiu o que saiu, bem impensadamente, super sem sentido. Aí eu me dei o luxo de publicar um post sem-sentido. Tô quase criando um movimento de "post sem-sentido, participe você também!". E hoje eu estou falando pelos cotovelos( o que não é muito comum).


Fiquei curiosa pra saber como foi que você me achou. Como foi?


=*

Srta. Pinheiro disse...

Pois é. Isso me lembrou uma conversa que eu tive há muito tempo atrás com uma amiga que escrevia histórias. A gente tava falando de como cada um das suas personagens tinha alguma característica dela. Há nem que seja um resquiciozinho da gente naquilo que a gente escreve, ainda que metaforicamente [ ahhhh, eu adoro as meáforas].


E salve o orkut! Eu acho que nunca vou ter idéia de como as coisas na internet chegam em lugares que a gente nem imagina. Eu sempre penso que só a minha meia dúzia de leitores fiéis entra no blog, mas aí vem vc pra contrariar a teoria.

Nem faz muito tempo que eu mudei de perfil, que continua absolutamente verdadeiro.

Eu fico feliz de vc gostar lá do rascunhos, a recíproca é bem verdadeira também. Tem qualquer arte cuidadosa aqui que é envolvente.

o que mais? Tá virando um chat isso aqui. ^^


Fica na Paz.